"Seria impossível realizar prova no RS", diz ministra sobre adiamento do Enem dos Concursos

Foto: Adalberto Marques / MGI

Foto: Adalberto Marques / MGI

A ministra da Gestão e Inovação, Esther Dweck, deu mais detalhes sobre o adiamento do Concurso Nacional Unificado (CNU), apelidado de "Enem dos Concursos". Dweck apontou que "a conclusão que a gente teve hoje é que seria impossível realizar a prova no Rio Grande do Sul". Havia expectativa do governo, segundo a ministra, de que o cenário melhorasse e que as forças nacionais poderiam auxiliar, mas o cenário mudou. As provas seriam realizadas no próximo domingo (5).

"A gente fez de forma coletiva uma análise. Analisamos as condições de realização das provas nesse momento. O governador nos alertou dos riscos de realizar as provas no estado. A gente construiu um acordo para preservar a integridade do concurso para todos os candidatos. A gente chegou à solução mais segura para todos os candidatos, é de fato o adiamento da prova", explicou.

O maior compromisso da prova era "garantir uma coisa básica, a democratização e inclusão da maior parte de brasileiros no processo" e, para a ministra, com "o adiamento há garantia de que todo mundo vai realizar a prova nas mesmas condições".

"Nosso primeiro compromisso é nos solidarizar com as vítimas, as famílias, pessoas desaparecidas. O esforço de segurança está focado no resgate de vítimas e na região", pontuou.

A pressão começou essa semana, quando chuvas fortes atingiram o Rio Grande do Sul. Na quarta-feira (1º), o governador do estado, Eduardo Leite (PSDB), disse que iria ao governo federal pedir adiamento da prova no local.

As provas seriam realizadas em 228 municípios do país, com 2,1 milhões de inscritos. No ranking nacional, o Rio Grande do Sul é o oitavo em número de participantes, com 80.348 inscrições.

Na noite de quinta-feira (2), o Ministério da Gestão e Inovação (MGI) havia emitido uma nota para confirmar a normalidade do concurso, após reunião entre os ministros da Casa Civil, Rui Costa, e da Gestão e Inovação, Esther Dweck, no Palácio do Planalto.

O governo ainda não informou uma nova data para realização do certame.

Acompanhantes de Gyn