China isola vilarejo após morte de morador por peste bubônica

Foto: Reprodução internet

Foto: Reprodução internet

A morte de um homem por peste bubônica - doença secular que provocou pandemias mortais na história da humanidade - levou autoridades da Mongólia Interior, uma região autônoma da China, a isolarem um vilarejo, de acordo com informações da CNN norte-americana.

A morte foi reportada a autoridades da cidade de Baotou no domingo (2), e a peste bubônica foi confirmada como a causa ontem. Não foi informado como ocorreu a contaminação da vítima.

O paciente morreu de falha do sistema circulatório, de acordo com um comunicado da Comissão Municipal de Saúde de Baotou.

Para conter a propagação da doença, foi isolada a vila de Suji Xincun, onde a vítima morava, com a determinação de que todas as casas sejam desinfectadas diariamente.

Todos os moradores da vila testaram negativo, até agora, para a doença.

Este é o segundo caso da doença este ano — e a primeira morte — confirmado pela China. O caso anterior foi descoberto em julho em Bayannur, outra cidade da Mongólia Interior, levando ao fechamento de vários pontos turísticos.

A peste

Causada por bactérias e transmitida por meio de picadas de pulgas e animais infectados, a doença matou cerca de 50 milhões de pessoas na Europa durante uma pandemia na Idade Média. A peste bubônica, que é uma das três formas da peste, causa linfonodos dolorosos e inchados, além de febre, calafrios e tosse.

O uso dos antibióticos, que podem tratar a maioria das infecções se forem detectadas com antecedência, ajudou a conter surtos de peste, impedindo a rápida disseminação testemunhada na Europa na Idade Média.

Apesar disso, a bactéria não foi totalmente eliminada e teve um retorno recente, levando a OMS (Organização Mundial da Saúde) a categorizá-la como doença reemergente.

Recorrência comum

De 1.000 a 2.000 pessoas sofrem da peste todos os anos, de acordo com a OMS. Mas esse total provavelmente é uma estimativa modesta, uma vez que não leva em conta casos não relatados.

Segundo dados de 2016, existe a possibilidade de peste em quase todos os continentes, especialmente no oeste dos Estados Unidos, partes do Brasil, áreas dispersas no sudeste da África e grandes áreas da China, Índia e Oriente Médio.

Ontem, as autoridades de Baotou alertaram para o risco de "uma epidemia de peste humana se espalhar na cidade" e pediram ao público que tomem precauções extras e procurem atendimento médico imediato se houver sintomas de febre ou tosse.