Ministério atualiza o Celular Seguro para tornar o programa mais eficaz; veja mudanças

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

O governo federal fez uma atualização no programa Celular Seguro, serviço para inibir furtos e roubos de smartphones e que está disponível há três meses para a população.

Para facilitar o cadastro, agora é preciso informar apenas dados básicos, como número de telefone, nome da operadora e marca do aparelho.

Além disso, o usuário tem até quinze dias para notificar perda ou roubo pelo aplicativo. E, ainda, vai poder escolher quais dados vão ser bloqueados no telefone.

Na prática, o programa funciona como um botão de emergência que aciona a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), as operadoras de telefonia e os bancos, de forma rápida, para impedir que os bandidos tenham acesso aos dados do aparelho.

Segundo o Ministério da Justiça, as mudanças foram implementadas a partir de demandas de usuários e parceiros. Nesse sentido, o sistema está mais simples e os alertas mais efetivos, ainda de acordo com a pasta.

Quem utiliza o programa por meio de aplicativos para Android e iPhone (IOS) precisará fazer a atualização para ter acesso à nova versão.

Também é possível acessar a ferramenta pelos navegadores de internet a partir do endereço: https://celularseguro.mj.gov.br/

Veja, nos tópicos abaixo, as mudanças com mais detalhes:

Cadastro

Usuário só precisará preencher campos essenciais. São eles: número de telefone, nome da operadora e marca do aparelho.

Agora, não é preciso mais, por exemplo, informar o modelo do aparelho e o "IMEI" — sigla em inglês para "Identidade Internacional de Equipamento Móvel"), uma espécie de "RG" que identifica cada aparelho.

Alertas

Agora, o usuário poderá emitir alertas para ocorrências dos últimos 15 dias.

Além disso, foram criadas modalidades de alerta, como para bloquei do aparelho/linha, outros bloqueios (de outras instituições parceiras) ou as duas opções.

Outra novidade é que o usuário vai receber uma notificação de confirmação de envio do alerta antes da emissão (assim se evita acionamentos acidentais).


As informações são do G1

Acompanhantes de Gyn