OMS afirma que 'talvez nunca exista' uma vacina contra covid-19

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde disse que as imunizações que estão sendo testadas podem não funcionar ou oferecer proteção por apenas alguns meses

Tedros Adhanom Ghebreyesus durante coletiva da OMS em fevereiro de 2020 ?- Foto: Denis Balibouse/Reuters

Tedros Adhanom Ghebreyesus durante coletiva da OMS em fevereiro de 2020 ?- Foto: Denis Balibouse/Reuters

O diretor-geral da Organização Mundial Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira, 3, que vacina ou cura para a covid-19 podem não se tornar realidade. De acordo com entidade, há 164 vacinas em desenvolvimento: 25 estão em fase clínica e 139 em pré-clínica.

"Não existe bala de prata no momento e talvez nunca exista", disse o diretor-geral. Ele acrescentou que, no momento, há imunizações na última fase de testes, mas existe a possibilidade de que nenhuma dessas ofereça proteção da forma esperada. Segundo a organização, são 25 vacinas já sendo testadas em seres humanos, sendo 6 delas na chamada fase 3 - os últimos ensaios antes da conclusão.

"Há preocupação de que talvez não tenhamos uma vacina que funcione. Ou que a proteção oferecida possa durar apenas alguns meses, nada mais". Tedros declarou que não é possível saber até que se concluam os testes. No entanto, disse que ainda existe esperança e que os estudos estão sendo desenvolvidos a uma velocidade sem precedentes.

Ele também esclareceu que a maioria da população permanece vulnerável à infecção mesmo em países que lidaram com surtos graves. No geral, segundo a organização, estudos sorológicos mostram que menos de 10% desenvolveram anticorpos contra o vírus, indicando que tiveram a doença. A prevalência pode ser maior em meio a alguns grupos, como profissionais de saúde.

A OMS, mais uma vez, reforçou a necessidade de aplicar o conjunto das medidas disponíveis que funcionam para suprimir a transmissão do novo coronavírus até que haja uma vacina ou remédio.

A organização indica que países façam a identificação dos casos, rastreamento de contatos e isolamento de quem está infectado. Para indivíduos, recomenda o distanciamento social, a higienização das mãos com constância, o uso de máscaras onde apropriado e cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir. "Se fizermos tudo, se adotarmos uma abordagem abrangente, podemos mudar isso", afirmou o diretor-geral.

Na sexta-feira, 31, o comitê de emergência da agência se reuniu e manteve a categoria de emergência global de saúde pública para a pandemia. Nesta segunda-feira, o diretor-geral relembrou que é a primeira vez que acontece um surto mundial de um coronavírus "Combina dois fatores perigosos: se espalha rápido e, ao mesmo tempo, mata".

Taxa de letalidade da covid-19

A líder técnica de resposta à doença da OMS, Maria Van Kerkhove, afirmou que 0,6% das pessoas infectadas por coronavírus morrem. "Pode parecer que não é muito. Mas é um número bem alto, se você pensar num vírus que transmite com facilidade", disse após explicar que estudos científicos chegaram a essa média.

O diretor do programa de emergência da agência, Michael Ryan, acrescentou que a taxa referente à influenza A, responsável pela pandemia de 2009, era muito menor, com uma morte a cada 10 mil doentes.

Embora a porcentagem de mortes entre os casos diagnosticados seja maior, quase 4% - são 17,5 milhões de infecções e 680 mil óbitos registrados mundo - Maria esclareceu que a letalidade real da covid-19 deve ser menor porque muitos casos leves não são detectados.